Pimenta nos olhos dos outros é mesmo refresco?

25 02 2008

Pimenta

Como faço sempre que entro na internet e no meu blog, vou dar uma checada nas atualizações dos blogs que tenho linkados e sites que costumo visitar. Numa dessas visitas cliquei no blog da Bonie e li um post que me fez recordar uma situação parecida. No “ponta do durex” há dois posts que tem como temas aqueles trechos de conversas que escutamos em ônibus quando estamos a caminho da faculdade, ou do trabalho.
Foi quando me recordei de um trecho que escutei quando voltava para casa, a situação era a seguinte: O furacão Katrina tinha acabado de desvastar New Orleans nos Estados Unidos e um tempo depois o primeiro furacão de nível I atacou uma cidade em Santa Catarina aqui no Brasil, e o nome dado a ele foi “Furacão Santa Catarina”.
Segue o trecho da conversa:

– Nossa, você viu a situação daquele povo lá nos estados unidos rapaz?
– Vi sim, e o pior é que não contente em acabar com a cidade lá, o treco veio pra cá também.
– Sério? Mas, onde?
– Você não viu no jornal? O furacão Catarina de lá veio atacar uma cidade de Santa Catarina aqui, parece que ele veio pelo mar… A sorte é que ele perdeu força e o estrago não foi tão grande…

Quem sabe a diferença entre os dois furacões, estudou a diferença entre pressões atmosféricas e situações climáticas (matéria de geografia obrigatória no ensino médio) consegue rir dessa situação, porém, muitas pessoas por aí não iriam achar graça desse trecho, e mais, ainda indagariam se seria possível que um furacão ‘andasse’ devastando lugares depois de meses…

Por essas e outras é que temos que prestar atenção no nível da educação que nosso povo anda recebendo, se a formação que deveria ser sólida está mais perto de uma sublimação ou de um estado líquido. Você acessa os portais de notícia e verifica a situação da educação no país? Procura saber mais sobre o que andam ensinando ou deixando de ensinar? Ou apenas quer se preocupar com isso quando tiver seus filhos? Nessa situação, pimenta nos olhos dos outros é mesmo refresco? Pense nisso.