Indagações sobre saúde

9 04 2008

Li dois artigos na Revista da Semana na seção Saúde e que me deram inspiração para elaborar um post. O primeiro artigo fala sobre o site Patients like me (pacientes como eu), um site de relacionamentos parecido com o Orkut, mas com um intuito extremamente solidário. Pessoas que sofrem de doenças trocam informações sobre remédios, sintomas, tratamentos, trocam apoio. O interessante é que o usuário em vez de procurar a pessoa por sexo, cor do cabelo ou fotos que acham interessante (como fazem no Orkut), acham umas as outras digitando a doença em questão, o histórico da pessoa e de sua doença são registrados em forma de gráfico e aparecem em seu perfil.

No artigo abaixo o tema era sobre uma nova droga que é capaz de apagar algumas lembranças traumáticas, semelhante ao filme “Brilho eterno de uma mente sem lembranças”, tendo como trauma: assaltos, ex-soldados, pessoas violentadas, exilados de guerra, órfãos…
Não é um caso para se pensar? Pessoas que sofrem de alguma doença lutando para viver trocam informações e se ajudam mutuamente, pois não podem simplesmente esquecer que estão doentes, e do outro lado, pessoas que por conta de um trauma não conseguem continuar a ter uma vida normal e necessitam de alguma droga que as façam esquecer.

Nem sempre a força necessária para continuar em frente consegue nascer em todas as pessoas, mas será que apagar as lembranças não faria com que elas apagassem uma parte do que elas foram também? Será que a droga sabe exatamente em qual área do cérebro está armazenado o dia X, na hora X? Pensei comigo que a força de vontade de viver de alguns, podia também ajudar a outros, que embora não tenham uma doença física possuem uma mente perturbada.

E vocês leitores, teriam coragem de tomar a droga?