Conteúdo a nova área da Comunicação

24 03 2014

Como na moda o mercado de trabalho adora repaginar cargos e funções, justamente por que ele está em constantes transformações e demandas. Quando fui atrás de cursar Letras os cargos em que o pessoal formado em bacharel trabalhava eram: redator, editor, tradutor e revisor, basicamente no meio impresso e parte mudando para o digital.

Imagem
Conforme os anos foram passando, o profissional do texto (letrado ou jornalista) começou a ter uma transformação desses cargos, mudando para: redator web, analista de comunicação, redator publicitário, editor web. Isso, mais ou menos, em 2011/2012. Com o crescimento da internet e das redes sociais, o cargo de web acabou ganhando concorrência, e o profissional do texto se viu em novas transformações como: assistente/ analista de conteúdo, assistente/ analista de mídias sociais, editor de mídias sociais, revisor publicitário, revisor web.

E o que agora é pior do que antes, não só de Letras e Jornalismo vive esse mercado, mas agências digitais surgiram e começaram a exigir em requisitos que os profissionais do texto, agora chamados de conteúdo, fossem formados em Marketing. Isso mesmo.
Fui investigar a grade de alguns cursos de marketing puro, não atrelados a Publicidade e Propaganda, e descobri que eles não têm matérias que trabalhem com textos, os diferentes tipos de texto/ público alvo, diferentes tipos de linguagem, e até mesmo, cobertura de eventos. Mas, então, por que esses profissionais estão sendo consumidos avidamente nessa área, já antes disputada? Erro de Recursos Humanos.

Para um trabalho qualificado com o texto uma equipe precisa ter alguém que planeje a campanha/ estratégia, alguém que ajude a divulgar o projeto e alguém que desenvolva esse conteúdo. O que se nota do mercado é que eles acham que o profissional de marketing sabe escrever e fazer tudo isso descrito acima por apenas um salário. E a qualidade do trabalho final, nem sempre agrada.
O curso de Letras e de Jornalismo ensina os profissionais a lidarem com o texto em suas diferentes formas, em mídias diferentes. Na minha grade estudei textos em jornais, revistas, sites, livros, panfletos e como a linguagem era abordada em cada um desses meios. Tive um ano de teoria do texto, além de estudar os fenômenos da língua e suas transformações. O conteúdo de sites e mídias sociais nem sempre precisa de um redator publicitário, mas sim, de um jornalista/ letrado que saberá colocar informações aos consumidores. Linguagem conativa não é tudo no mercado de comunicação minha gente.

Hoje enfrento dificuldade em encontrar vagas que reconheçam os profissionais do conteúdo como letrados e jornalistas, e tenho pensado em fazer uma pós em comunicação e marketing para ver se consigo entrar nessa concorrência. Meu apelo com o post é de conscientizar os profissionais dos recursos humanos a considerar que para uma vaga de conteúdo nem sempre o marketing será a solução, é bom que busquem ler e entender as disciplinas e grades dos cursos atuais, além de levar em consideração cursos extras, experiência profissional e vontade de se desenvolver do profissional.

Quem faz Letras nem sempre quer ser professor, e quem faz jornalismo nem sempre que ser assessor de imprensa, ou âncora. Vocês poderiam ser mais dinâmicos?





O Basculante – conteúdo para blogosfera, ganha um ano !

18 03 2009

Ontem quando fui conferir as estatísticas do Basculante, notei que deixei passar o aniversário do blog em branco. Minha interação com blogs ocorre desde meus 16 anos, (quaaase sete anos) embora só tenha realmente me dedicado a textos mais sérios quando entrei na faculdade.
Rumei para o WP por questão de praticidade, e garanto que ele atende todas as expectativas como editor de blogs – muito embora me entristeça por não aceitar widgets na versão gratuita =P.

Daí, pensando com o que trabalho, resolvi que o post de hoje falará sobre a blogosfera, especificamente sobre o conteúdo. Para a maioria dos blogueiros a história de como surgiu o blog é coisa de be a bá, mas a sua evolução não parece ter sido captada por muita gente.
Os diários virtuais (que como eu, foi como muita gente começou) serviam para falar um pouco da sua vida pro mundo, pra ninguém, pra um estrangeiro que não sabe o português, por pessoas que não são tão sociáveis mas escrevem muito… entre outras.

Com o passar dos anos,  os blogs passaram a ser poderosas ferramentas de comunicação, competindo com textos de jornalistas em grandes veículos (temos até a polêmica do “post pago’). Agora, o que me dói a alma, é o que as pessoas andam gerando em posts e dizendo que são blogueiros.

Não vou exigir que postem textos grandes, e nem que evitem colocar vídeos nem nada, mas é fato que muita gente perde o foco do que é um blog. Todo mundo quer visitas, quer se destacar na blogosfera, mas o que as pessoas realmente esperam de um blog?

Vídeos e imagens são recursos da informação que você quer passar, se for postar apenas uma foto ou um vídeo, o post não terá exatamente um mérito seu, e ainda assim existem sites como o youtube, o videolog ou o flickr e o picasaweb para divulgar esse tipo de arquivos.

Os posts com conteúdo são aqueles que trazem de fato um texto explicando algo, comentando algo, e fazendo com que o leitor se interesse pela forma como foi escrito, editado, e queira voltar, pra isso vale usar recursos como links, imagens e vídeos, mas não apenas isso. Todos sabem que textos grandes espantam internautas, mas quando você se compromete a escrever bem, e pega a manha de prender a atenção do usuário, pode até postar uma bíblia que o seguidores voltarão (mas, isso é uma frase figurativa =D)

Outra coisa a se pensar é a categoria, muitas pessoas gostam de falar sobre determinado assunto, logo, o público que vai visitar o blog é o do meio; os blogs pessoais ganham a simpatia começando pela rede de amigos, e depois por pessoas que veem (adaptações da gramática nova) os blogs pessoais como se fossem colunas de revistas ou jornais. O Basculante, no caso, segue a linha mix da coisa, quando me dá na telha escrevo sobre algumas das minhas categorias, ou sobre nada, mas sempre na mesma linha de pensamento, será difícil vocês encontrarem posts muito específicos, é bem mais minha opinião sobre determinado assunto.

Agora sobre a divulgação, se você fizer umas pesquisa pelo poderoso Google, vai encontrar todas as dicas possíveis para divulgação, uma delas é se associar a indexadores de blogs como o Technoratti (mas, esse é todo em inglês), ou produto da nossa terra o Blogblogs (vendendo o peixe gente!), além de participar de pesquisas, você ainda pode marcar o conteúdo que achou interessante e participar de um ranking que mede sua popularidade na rede – embora seja um pouco furado, pois nem todo mundo que lê o seu blog o linka, eu fico mais feliz com as visitas e comentários.

Não vou me estender mais no assunto, acho que consegui fazer uma breve sinopse do que eu penso ser um bom blog, qualquer dúvidas folks, só enviar email, ou comentar.

Outro dia tentei colocar meu twitter aqui, mas o WP ainda não aceitou os feeds =(
De qualquer forma, meu twitter é o vsusaki.

Até mais breve!