A importância dos seriados

7 02 2010

Ao invés de gostar de novela, eu gosto de seriado. Tudo se trama e se acaba em um capítulo, você gosta ou odeia os personagens por várias vezes, mas sempre sente falta deles quando tudo acaba.

Dependendo do roteirista você acaba até adaptando certas frases e expressões no seu dia a dia, ou usa para comentar alguma coisa que aconteceu em sua vida que pareceu igual.

Tem seriado para todos os gostos, todas as idades e você sempre aprende algo novo sobre medicina, sobre a vida, sobre homens, mulheres, fantasmas, paleontologia, moda, etc. Acho que os seriados têm o fator lição muito mais forte do que as novelas brasileiras, e olha que há seriados muito bons na TV, como foi o “Confissões de adolescente”, ou como é o “Tudo o que é sólido derrete”, ambos da Tv Cultura- voltados para o público jovem, lidando com certos tabus de adolescentes sem se estender por dramas e capítulos com elenco do escalão rico, e elenco do escalão pobre.

Seriados brasileiros de curta duração que contam algo da nossa história também são valorizados, como foi o caso da “A casa das 7 mulheres” ou “JK”, o problema é que passam às altas horas da noite, e nem todo mundo agüenta até que eles comecem. Quem tem TV a cabo é que se esbalda com as séries americanas, rindo com seriados nada a ver como “Two and a half men”, “Friends”, “Gossip Girls”, rindo e aprendendo com “Grey’s Anatomy” ou “The Big Ben theory”… e tantos outros novos que aparecem a cada fim de temporada. Acho que sofri bastante quando a greve de roteiristas aconteceu há dois anos. =P

Mas o que me fez escrever o post foi a concorrência pelo segundo lugar na audiência entre o SBT e a Record, acho que até sai ganhando com

Irmãos Winchester

isso. No horário nobre o SBT colocou os irmãos Winchester para competir com a novela das 8 da Globo, e a Record perdeu números… resultado? Após o fim da temporada de “Supernatural” a Record passou o “CSI” para o mesmo horário de “Gossip Girl”, para tentar vencer a concorrência. Resultado dois: o povo não agüenta mais o drama das Helenas de Manoel Carlos e nem os dramas do escalão rico e do escalão pobre das novelas em geral.

Quando as pessoas chegam em casa, depois de ver o jornal com bastante notícias sobre chuva, assassinatos, roubos, queda da bolsa, Robinho, política… elas querem ver coisas legais, distrair-se. Se o seriado alcançou o segundo lugar da audiência é prova de que em breve poderá haver uma reformulada geral na grade da TV brasileira (meus votos o/). Aliás, em outro futuro post vou escrever sobre o Good Day News, que é um projeto bem bacana criado no Reino Unido.

Para quem curte séries que nem eu, é legal tentar preencher a versão do dia e da noite desse jogo “Fantástico Mundo das séries”. E quem sabe a gente não começa uma grande leva de emails para o SBT e Record manterem por um bom tempos novas séries no horário nobre, principalmente para quem não tem acesso à TV a cabo, ou mesmo investirem em séries brasileiras (sem ser estilo Malhação, por favor) por que o enredo funciona, distrai, ensina e agrada ao público.

Anúncios

Ações

Information

8 responses

8 02 2010
Daniel Caetano

Sou mil vezes algumas séries estrangeiras do que qualquer novela de longa duração do Brasil: concordo com você, mas às vezes eu tenho a impressão que nossos roteiristas têm dificuldade em pensar histórias como as das séries importadas (chamadas por alguns mais ácidos de “enlatados”).
A cultura de roteiros aqui sempre foi outra; é recente a guinada nos assuntos dos filmes nacionais, mas a iniciativa de filme de entretenimento que não envolva comédia ou pronografia ainda é incipiente aqui. E quando tentam, raras vezes sai algo interessante.
Os melhores filmes brasileiros de entretenimento dos últimos tempos (não comédias) são praticamente todos adaptações de livros – o que tem seu valor, mas para mim mostra um tipo de vício de produção.

Kudos para o pessoal da TV Cultura, que tenta produzir material diferenciado e, de fato, consegue atingir um ótimo nível, ao menos em minha opinião. 🙂

Realmente seria realmente bom se, no Brasil, a cultura de produção de programas de TV mudasse pelo menos um pouquinho. 🙂

8 02 2010
Elton

Vou confessar que sou um fã das séries. Elas têm que se espalhar e sim, servir de modelo para algumas coisas, mas não sei se o shobiz brasileiro aceita esse tipo de mudança. São muito apegados à fórmula novela.

9 02 2010
May

Podia ter colocado uma fotinha melhor dos Winchester hein? O jensen tah estranho. Mas sou aficcionada por séries, só falta indicar o Series free e o Séries hunter pra baixar e não ficar preso a horário de tv.

9 02 2010
Pensadora Compulsiva

Eu prefiro séries!
Não aguento ver novelas com histórias repetidas, acontecendo sempre as mesmas coisas…
As séries, pelo contrário, tem pra todos os gostos com histórias variadas.
Eu gostava da Gilmore girls, Friends. Hoje gosto do House, CSI e Vampire Diaries.

6 03 2010
Samira

Para mim são pontos em extremidades totalmente diferentes que descrevem como se difere uma série para uma novela brasileira.
Como você sabe, sou louca por séries e elas têm sim um item único que faz desistir das novelas: elas sabem fazer você ficar louco, apaixonado, com raiva, ou todas as emoções a flor da pele!

Eu nunca chorei assistindo uma Helena do Manoel Carlos (fraco, e repetidor de enredo). Grey’s Anatomy já me fez chorar de soluçar por horas após um episódio.

É isso que falta. Mexer com as emoções verdadeiras. Parar de achar que aquele mundo “rico” de Helena faz parte do povo brasileiro, ou que a favela é a melhor forma de representar algo!! O que atrai hoje é a identificação de situações. O telespectador tem que conseguir se enxergar de forma sútil no que ele vê, ou então, simplesmente traga entretenimento de bom gosto!

26 03 2010
sil

Eu só vejo seriado desde que assinei TV a cabo(mais ou menos 15 anos).Novela não assisto nem que me obriguem, aliás da TV aberta só os jornais.
bjs

15 05 2010
deise moraes santos

Adoro o seriado Sobrenatural amo os dois irmãos Winchester sou muito fã deles e desejaria que eles voltassen para o SBT de novo….

4 01 2011
Os números de 2010 « O basculante

[…] A importância dos seriados fevereiro, 2010 7 comentários […]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s